Notícias 19 fev, 18

Catarinense de Paulo Lopes, município da região da Grande Florianópolis e há 13 anos atuando em Brasília como consultora de […]

“É preciso olhar o governo como parceiro, não como inimigo”, diz especialista em relações governamentais

Catarinense de Paulo Lopes, município da região da Grande Florianópolis e há 13 anos atuando em Brasília como consultora de relações governamentais, a economista Rosilda Prates ressaltou em conversa com empresários na plenária da ACIJS, na segunda-feira, que a habilidade na interlocução com o setor público é essencial para que o ecossistema do qual a iniciativa privada faz parte se fortaleça.

“É legítimo e imprescindível fazer esta articulação com as esferas seja municipal, estadual ou federal. O governo tanto dá o mercado, define as políticas públicas e as regulações, como tira mercado de empresas se não houver atenção com muitas decisões tomadas em Brasília. Estar acompanhando os direcionamentos políticos não é apenas necessário como fundamental, é preciso perceber o governo como parceiro e não como inimigo”, indica a especialista.

Com formação em comércio exterior e MBA em economia e gestão, entre outras especializações, Rosilda contou que passou a entender o ambiente da capital federal por conta de função executiva como gerente do antigo BESC em Brasília, onde atuou na década de 1990.

A experiência na lide com diversos níveis do poder público estimulou a criação da Hexa Brasil, consultoria dedicada às relações com governos, da qual é sócia-fundadora e diretora executiva, função que divide com a atuação na P&D Brasil – Associação de Empresas de Desenvolvimento Tecnológico Nacional e Inovação.

O foco principal da empresa é estabelecer conexões de diálogo da indústria, dos municípios e das organizações com o governo de maneira estruturada. “Fazemos a interlocução com o governo nas questões de políticas públicas com o objetivo de melhorar o ambiente tributário, esmiuçando medidas políticas e mitigando seus riscos, com isto ampliando as oportunidades de investimentos. É uma atuação de apoio às estratégias das empresas ou de segmentos que se relacionam com o poder público”.

Destaca a importância de discutir de maneira profissional, no momento certo e com os canais competentes do governo federal, agências reguladoras, instituições de financiamentos e Poder Legislativo, no sentido de conhecer regras, propor ajustes e assim contribuir para a modernização do ambiente regulatório e com o ambiente político, “de maneira transparente e totalmente ética”, sublinha. Segundo Rosilda Prates, o trabalho de articulação é pautado pelo Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção, um movimento nacional que historicamente vem alinhando posicionamentos de lideranças do setor produtivo junto ao governo na busca de moralidade nas ações públicas e seus efeitos na sociedade.

“As empresas precisam cada vez mais exercer a sua condição de transformadoras da sociedade, não somente pensando no resultado do negócio, mas principalmente na geração de impactos sociais positivos. As ações de relações governamentais se orientam nos bons relacionamentos, com diagnósticos e inteligência nas estratégias, um sistema que seja capaz de se retroalimentar de informações, com engajamento e agendas técnicas que auxiliem o governo que, por sua vez, não pode pensar em políticas públicas sem levar em consideração as preocupações do setor produtivo”. Rosilda sustenta que se trata de um trabalho que valoriza a participação empresarial, o quanto as empresas são importantes no desenvolvimento das cadeias produtivas e a contribuição com postos de trabalho, com empregos de alta qualificação, na geração de riquezas e na arrecadação que começa nos municípios e forma o PIB nacional.

Um aspecto que ela salienta é a necessidade de as empresas ou organizações encontrarem condições que lhes assegure previsibilidade às tomadas de decisão, com acompanhamento in loco das agendas com as quais o governo trabalha e que podem trazer impacto na atividade empresarial. Ela legitima a atuação ao considerar que “não há razoabilidade a nenhuma empresa atuar em um ambiente regulado que não se preocupe com decisões do governo. Portanto, é fundamental pensar que o governo sempre editará medidas que são positivas para a sustentabilidade do setor público, mas mitigando eventuais impactos negativos às empresas”.

Na fala aos empresários, a especialista fez referência à perda de posições de Jaraguá do Sul na economia catarinense. Citou conhecer que a cidade já foi a terceira maior economia do Estado, alcançou a quinta posição e hoje ocupa o oitavo posto. “É uma provocação aos empresários locais quanto à necessidade de se debater todo o ecossistema do qual o município faz parte, buscando uma interlocução entre os atores, se mobilizando em uma agenda comum com o poder público, porque é certo que se este trabalho for mais incisivo este ranking será alterado”, orienta, ao mencionar o perfil da região e o movimento que se observa na área de inovação.

“Esta é uma área fundamental ao desenvolvimento, porque ela gera muitas oportunidades de mercado, mas estes investimentos precisam assegurar a sustentabilidade como um todo. Não se deve pensar a inovação somente do ponto de vista da tecnologia, ela está na gestão das empresas, desde o RH ao setor de compras de matérias primas, na comercialização, enfim, a inovação está em todas as etapas do processo produtivo. As empresas precisam conversar entre si sobre estas questões, de forma a assegurar um ecossistema que favoreça o desenvolvimento de todas as cadeias produtivas, do mesmo modo que precisam se articular, individualmente ou por meio das suas entidades representativas, com o poder público para que as decisões políticas estejam alinhadas a objetivos comuns de toda a sociedade”.



Confira as

Últimas notícias

Presidente da ACIJS diz que decisão do Copom é desconectada da realidade

Decisão anunciada pelo Comitê de Política Monetária na quarta-feira (5) recebeu críticas de entidades que representam o setor produtivo

Avanço importante para região, avalia ACIJS sobre obras de arte na BR-280

Presidente da ACIJS diz que início das obras é alento importante no sentido de que a duplicação entre Guaramirim e Jaraguá será integral

Novo Decreto Estadual atualiza portarias com regras no enfrentamento à Covid-19

Medidas valem até 17 de maio e atendem a necessidade de ajustes em diversas atividades econômicas, considerando a Matriz de Risco

Programa de educação empresarial com foco em mentoria a empreendedores

Estruturado em três eixos, programa visa auxiliar empreendedores à melhoria da gestão, oferecendo Diagnóstico, Curadoria e Mentoria

Governo federal reedita MP de redução de salário e jornada durante a pandemia

Publicação da Medida Provisória de flexibilização trabalhista para enfrentamento da crise ocorreu na quarta-feira, dia 28, no Diário Oficial

Governador se reúne com classe empresarial no CEJAS, dia 12

Durante agenda em Jaraguá, governador se reúne com classe empresarial no CEJAS A visita ao Centro Empresarial de Jaraguá do Sul para um encontro com

ACIJS avalia duplicação do trecho estadualizado da BR-280 como importante reconhecimento do Estado à região

A diretoria da ACIJS acompanhou, nesta sexta-feira (28) a visita que o governador Carlos Moisés realizou à região para vistoriar as obras de duplicação do

Presidente da Acijs avalia expectativas do setor produtivo para a retomada econômica e atuação no enfrentamento da pandemia

Em entrevista à Rádio 105 FM, o presidente da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul, Luís Leigue, comentou sobre as expectativas da ACIJS na retomada

Covid-19: é hora de fazer a sua parte

O coronavírus segue fazendo muitas vítimas pelo país. É por isso que cabe a todos nós fazermos a nossa parte. Reforce com seus colaboradores que

Nota de Pesar - Osmar Gumz

A Associação Empresarial de Jaraguá do Sul, representada por seu Conselho Superior, Diretoria e empresas associadas, manifesta profundo  pesar pelo falecimento do senhor Osmar Gumz,

You must login to view your message.
Redefinir senha Cadastrar