Notícias 12 jan, 18

De acordo com a FIESC – Federação das Indústrias de Santa Catarina, a produção de Santa Catarina acumulou alta de […]

Desempenho da indústria catarinense é animador para que o Brasil comece ciclo virtuoso, diz presidente da ACIJS

De acordo com a FIESC – Federação das Indústrias de Santa Catarina, a produção de Santa Catarina acumulou alta de 4,5% nos primeiros onze meses de 2017. Segundo a entidade, embora estável em relação a outubro, o resultado de novembro representa salto ainda maior (8%) em relação a igual mês do ano anterior, enquanto o resultado nacional foi uma elevação menor, de 1,9% para a indústria de transformação. Com isso, ao lado de Mato Grosso, Santa Catarina ocupa a terceira posição no ranking de desempenho entre os Estados brasileiros, que é liderado por Paraná e Goiás.

O levantamento da FIESC, com em base em dados apurados pelo IBGE, mostra que os segmentos que mais influenciaram o resultado positivo da indústria catarinense no ano foram produtos alimentícios (7,3%), associado a óleo de soja refinado; metalurgia (25,7%), com destaque para artefatos e peças diversas de ferro fundido; e confecção de artigos do vestuário e acessórios (5,0%), onde conjuntos e vestidos de malha, além de vestuário e acessórios de malha para bebês, chamaram a atenção. A principal influência negativa vem do setor de Produtos de Borracha e de material plástico (-4,6%), mas o setor já dá sinais de recuperação.

Na comparação com novembro de 2016, a variação da produção industrial catarinense foi ainda mais relevante (8%, contra média nacional de 5,2%), enquanto em relação ao mês anterior o resultado ficou estável (-0,1% em SC e 0,2% na média nacional). “A notícia é positiva, pois a produção confirma uma performance superior à média nacional da indústria catarinense, que foi destaque em diversos indicadores, entre os quais o do emprego é um dos mais importantes”, avalia o presidente da FIESC, Glauco José Côrte.

Outro aspecto relevante, diz Côrte, é que oito dos doze setores da pesquisa registraram alta na produção acumulada em 2017, resultado que fica ainda melhor quando a comparação é restrita ao mês de novembro. No mês, apenas um setor teve pequeno decréscimo na comparação com novembro de 2016 (artigos de vestuário, com queda de 0,2%). “Significa que a recuperação está se generalizando em todo o segmento industrial do Estado. E como a atividade industrial impacta positivamente os demais setores da economia, como serviços e comércio, esse crescimento tende a puxar o desempenho de toda a economia. Assim, a tendência de novas contratações segue em 2018”, afirma.

Os segmentos que mais influenciaram o resultado positivo da indústria catarinense no ano foram Produtos Alimentícios (7,3%), associado a óleo de soja refinado; Metalurgia (25,7%), com destaque para artefatos e peças diversas de ferro fundido; e Confecção de Artigos do Vestuário e Acessórios (5,0%), onde conjuntos e vestidos de malha, além de vestuário e acessórios de malha para bebês chamaram a atenção. A principal influência negativa vem do setor de Produtos de Borracha e de Material Plástico (-4,6%), mas o setor já dá sinais de recuperação.

Estado enfrenta cenários adversos

Para o presidente da ACIJS, Giuliano Donini, os indicadores divulgados pela FIESC são positivos e devem ser ressaltados, uma vez que demonstram claramente que a indústria catarinense vem reagindo de maneira positiva frente a cenários adversos. Segundo ele, o Estado se posiciona bem no ranking, alguns segmentos tradicionais mostram uma capacidade de desempenho no mercado, como é o caso da indústria de alimentos, e isto é positivo na medida em que este setor tem uma capilaridade muito expressiva, que beneficia várias regiões, assim como é o setor da indústria metalúrgica que segue uma recuperação da indústria automobilística como um todo no País.

O empresário avalia que embora o segmento automotivo tenha se sobressaído com exportações, e não necessariamente com aumento das vendas no mercado interno, o fato é positivo porque movimenta toda a cadeia de fornecedores e isto certamente traz um incremento na economia regional. “De qualquer maneira os indicadores demonstram a possibilidade que o Brasil tem de retomar um ciclo virtuoso, podendo alcançar ainda níveis mais positivos com a retomada da capacidade de consumo, com isto retroalimentando a economia como um todo. Quem sabe chegando ao fim de um período de quedas como temos vivido nos últimos anos”, observa Donini.

Para ele, é importante que esta retomada apontada pelos indicadores se mantenha sustentável, assegurando um ritmo contínuo e consistente, atingindo outros segmentos que não têm experimentado o mesmo nível de desempenho, com maior volume de produção, geração de empregos e naturalmente recursos movimentando a economia. O presidente da ACIJS entende que isto traz um efeito positivo de melhor arrecadação de impostos, fazendo com que o setor público tenha recursos para investimentos, o que é muito salutar quando se tem um equilíbrio econômico. “Sem uma condição econômica melhor toda a condição que se deseja socialmente, com melhor renda e consequentemente ganho na qualidade de vida, se torna mais difícil. E isto passa pela recuperação da indústria, por isto precisamos trabalhar para que estes resultados sejam cumulativos. Santa Catarina ainda tem terreno a avançar na recuperação plena, já que se mantém entre os três Estados com melhor desempenho, e a expectativa é que de possamos avançar ainda mais”, completa. (Com informações da FIESC)



Confira as

Últimas notícias

Nota de pesar - Yara Fischer Springmann

A ACIJS, representada por sua Diretoria. Conselho Superior e Empresas Associadas, expressa o sentimento de pesar da classe empresarial de Jaraguá do Sul diante do

Ação Social do Núcleo de Voluntariado leva alegria a crianças no Natal

Iniciativa beneficiou crianças assistidas pelo programa Novos Caminhos e também menores da comunidade haitiana do Bairro Vieiras

NOTA OFICIAL – A favor da moralidade, contra o aumento de gastos públicos

Entidade se alinha a manifestações de setores representativos do meio empresarial e da sociedade civil diante de medidas que comprometem a gestão de recursos públicos

ACIJS vê legitimidade em manifestações por mais recursos a rodovias

Entidades representativas do setor produtivo têm atuado no sentido de assegurar continuidade de obras de infraestrutura

NOTA OFICIAL - Fundo Eleitoral 2022

Com a decisão de senadores e deputados federais, Fundo Eleitoral pode utilizar até R$ 5,7 bilhões de recursos públicos, em 2022

Jaraguá do Sul é a primeira cidade de SC a integrar rede nacional de 5G

Projeto vai permitir a aplicação de tecnologia inédita, com a instalação de redes de 5G por meio da integração de antenas às luminárias inteligentes

“Desafio é recuperar posição de destaque de Jaraguá na economia do estado”, diz prefeito Antídio, na ACIJS

Encontro Empresarial marcou encerramento da agenda de plenárias da entidade em 2021

ACIJS inicia campanha de incentivo à segunda dose de vacina contra a Covid-19

Ação busca envolver a comunidade no esforço para que o ciclo de imunização contra a Covid-19 seja completo

Alta de juros era aguardada, mas decisão pode afetar recuperação econômica, avaliam entidades

Sétimo aumento seguido dos juros pode inibir capacidade de reação de empresas no pós-pandemia, temem especialistas

Câmara Federal aprova projeto que municipaliza regras de proteção de rios em áreas urbanas

Projeto de Lei que regulamenta ocupação de áreas próximas a rios nos municípios agora aguarda sanção presidencial

You must login to view your message.
Redefinir senha Cadastrar