Notícias 22 jul, 21

Norma que altera o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto do Idoso dá maior proteção a consumidores mais vulneráveis a abusos e trará reflexos para o giro da economia

Lei do super endividamento é avanço nas relações de consumo, avalia ACIJS

Em vigor desde o dia 2 de julho, após ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, a norma que altera o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto do Idoso representa um avanço em termos de modernização nas relações de consumo no País.

A avaliação é do presidente da ACIJS e do Centro Empresarial de Jaraguá do Sul, Luis Hufenüssler Leigue, ao destacar a importância de se adequar às legislações às novas realidades de mercado, principalmente com as dificuldades criadas com a pandemia do coronavírus.

Para o empresário, iniciativas que de algum modo ampliem a segurança do consumidor, com a proteção na medida em que se evita super endividamentos, favorecem a economia e a circulação de recursos com a estabilização econômica.

“Neste momento de alta de preços, de elevação dos indicadores de inflação e a perda de renda da população, o que traz reflexos como a retração do consumo, é necessário que se estabeleça para o consumidor uma condição que será favorável com a plena recuperação da economia”, observa.

As novas regras para prevenir o superendividamento dos consumidores resultam de um projeto de lei aprovado por deputados e senadores, buscando dar mais transparência aos contratos de empréstimos e tentar impedir condutas consideradas abusivas.

A Lei 14.181/21 estabelece que qualquer compromisso financeiro assumido dentro das relações de consumo pode levar uma pessoa ao superendividamento. Nesse rol estão, por exemplo, operações de crédito, compras a prazo e serviços de prestação continuada. Dívidas contraídas por fraude, má-fé, celebradas propositalmente com a intenção de não pagamento ou relativas a bens e serviços de luxo não são contempladas na lei. Pelo texto, os contratos de crédito e de venda a prazo devem informar dados envolvidos na negociação como taxa efetiva de juros, total de encargos e montante das prestações.

Com o novo regramento, empresas ou instituições que oferecerem crédito também ficam proibidas de assediar ou pressionar o consumidor para contratá-la, inclusive por telefone, e principalmente se o consumidor for idoso, analfabeto ou vulnerável ou se a contratação envolver prêmio. Elas também não podem ocultar ou dificultar a compreensão sobre os riscos da contratação do crédito ou da venda a prazo. Outra proibição diz respeito à indicação de que a operação de crédito pode ser concluída sem consulta a serviços de proteção ao crédito ou sem avaliação da situação financeira do consumidor. A norma também prevê a possibilidade de audiências de negociação entre credor e devedor.

“São mudanças importantes e necessárias, considerando que já se percebe um melhor desempenho em algumas cadeias produtivas, com reflexos nas exportações e na geração de postos de trabalho, mas ainda com o consumo retraído em função do comprometimento de renda. Com mais segurança e a economia aquecendo, haverá uma recuperação da capacidade de compra, o que é positivo para a movimentação de recursos”, completa Luis Leigue.

De acordo com o Mapa da Inadimplência no Brasil, divulgado pela Serasa, aproximadamente 62,56 milhões de brasileiros estavam endividados em maio. As dívidas na categoria banco/cartão apresentam o maior volume, sendo 29,7% dos mais de R$ 211 milhões de débitos.

Crédito: Agência Brasil/EBC

Medidas previstas com a mudança na Lei 14.181/21

> Torna direito básico do consumidor a garantia de práticas de crédito responsável, de educação financeira e de prevenção e tratamento de situações de super endividamento, preservado o mínimo existencial;

> Torna nula cláusulas contratuais de produtos ou serviços que limitem o acesso ao Poder Judiciário ou impeçam o restabelecimento integral dos direitos do consumidor e de seus meios de pagamento depois da quitação de juros de mora ou de acordo com os credores;

> Obriga bancos, financiadoras e empresas que vendem a prazo a informar ao consumidor o custo efetivo total, a taxa mensal efetiva de juros e os encargos por atraso, o total de prestações e o direito de antecipar o pagamento da dívida ou parcelamento sem novos encargos. As ofertas de empréstimo ou de venda a prazo deverão informar ainda a soma total a pagar, com e sem financiamento;

> Proíbe propagandas de empréstimos do tipo “sem consulta ao SPC” ou sem avaliação da situação financeira do consumidor;

> Proíbe o assédio ou a pressão sobre consumidor para contratar o fornecimento de produto, serviço ou crédito, principalmente em caso de idosos, analfabetos, doentes ou em estado de vulnerabilidade;

> Permite que o consumidor informe à administradora do cartão de crédito, com dez dias de antecedência do vencimento da fatura, sobre a parcela que está em disputa com o fornecedor. O valor não poderá ser cobrado enquanto não houver uma solução para a disputa.

[Com informações da Agência Brasil e portais de notícias]



Confira as

Últimas notícias

ABRH-Jaraguá do Sul promove Circuito de Talentos Solidário

Evento vai ajudar financeiramente duas instituições sociais do município - APAE e AMA - com o repasse do valor de inscrições

BR-280: falta de mais investimentos trava crescimento da região

Obra é considerada estratégica para maior desenvolvimento econômico da região Norte do estado

Ajustes são importantes, mas reformas precisam ser amplas, diz ACIJS

Criação do IVA - Imposto sobre Valor Agregado pode corrigir distorções e estimular competitividade do País, avaliam entidades do setor produtivo

Jaraguá Mais Saudável é reconhecido como iniciativa de utilidade pública

Iniciativa do Legislativo permitirá à Associação Jaraguá Mais Saudável buscar recursos para a sustentabilidade do programa

ACIJS defende acesso facilitado de MEIs a crédito e a programas de gestão

Levantamento mostra que o segmento vem se consolidando e revela crescimento nos seis primeiros meses do ano

Pacto de Desenvolvimento e Inovação tem adesão de prefeitos da Amvali

Movimento busca o desenvolvimento regional sustentável do Vale do Itapocu

Viver Jaraguá quer mostrar oportunidades ao desenvolvimento do turismo regional

Além de mostrar projetos para estimular o setor, evento apresentará linhas de crédito voltadas ao turismo

Economia reage, mas qualificação de mão de obra ainda é desafio

Reaquecimento da economia no pós-pandemia vai exigir mais atenção com a qualificação profissional, avaliam entidades

Núcleo das Cervejarias comemora desempenho de marcas de Jaraguá em evento mundial

Líder do Núcleo das Cervejarias destaca importância da premiação como reconhecimento da qualidade do que é feito na cidade

Transformações globais em pauta na ExpoGestão 2021

Associados da ACIJS têm acesso a um dos principais eventos corporativos do Brasil, de 19 a 21 de outubro

You must login to view your message.
Redefinir senha Cadastrar