Notícias 23 ago, 19

A consolidação do acordo entre países do Mercosul e da União Europeia pode trazer dividendos positivos para o Brasil, mas […]

Acordo Mercosul e União Europeia fará economia crescer, mas há desafios a serem vencidos, afirmam especialistas

A consolidação do acordo entre países do Mercosul e da União Europeia pode trazer dividendos positivos para o Brasil, mas este objetivo será mais fácil de ser alcançado se as indústrias se adequarem para enfrentar a concorrência imposta pelo livre comércio e o País acelere em reformas estruturais.

Um quadro das oportunidades e de desafios que o acordo pode oferecer ao Brasil foi apresentado a empresários de Jaraguá do Sul e região durante encontro promovido pela ACIJS e FIESC nesta quinta-feira (22).

O assunto foi abordado por Carlos Eduardo Abijaodi, diretor de desenvolvimento industrial, e Fabrízio Sardelli Panzini, gerente de negociações internacionais da CNI – Confederação Nacional da Indústria. Os dois especialistas ressaltaram que o acordo traz aspectos vantajosos para uma retomada do crescimento econômico no Brasil, mas também impõe necessidades de cumprimento a uma agenda que estimule a competitividade da indústria, seja pelo equilíbrio fiscal, menor burocracia e mais atenção à infraestrutura e logística.

 

“É o maior acordo comercial da história do Brasil, com a eliminação de barreiras e a possibilidade de entrada de recursos que poderão trazer um novo ciclo econômico. Mas o sucesso vai depender de como estivermos preparados para esta relação com outros países”, avalia Fabrízio.

Conforme Carlos Abijaodi, a CNI mantém uma agenda de acompanhamento e de discussão com o governo visando apresentar sugestões e de orientação às empresas. “O trabalho de mobilização é importante e as associações empresariais, sindicatos e entidades representativas devem acompanhar as movimentações do acordo”, assinala.

O presidente da ACIJS, Anselmo Luiz Jorge Ramos, concorda que o tema deve mercer acompanhamento permanente do setor produtivo. “É um acordo que oferece o desafio da indústria nacional se reinventar, de termos um novo momento de oportunidades e ao mesmo tempo ameaças que precisam ser enfrentadas”, observou.

Embora ressaltem que a definição do acordo é uma estratégia que vem sendo discutida há muitos anos e se trata de uma decisão da cúpula do Mercosul, reações externas ampliam as dificuldades de um entendimento na rapidez desejável. Reflexos da disputa entre Estados Unidos e China, questões diplomáticas e divergências ideológicas entre governos, ou debates sobre o meio ambiente, na avaliação dos dois especialistas trazem influência para que o acordo seja definido em sua totalidade, mas não impedem entendimentos pontuais entre os países.

Para eles, quanto mais rapidamente o Brasil avançar em reformas como a tributária e a fiscal, a exemplo do encaminhamento com a reforma previdenciária, maior será o nível de confiança da comunidade internacional. “O mercado precisa de tranquilidade, a economia reage de acordo com os posicionamentos do governo, com mais infraestrutura e logística, educação profissional e regras mais claras que traga a confiança de quem investe, são decisões que podem levar o país a ser mais competitivo, uma balança comercial favorável e com uma agenda que estimule as concessões e privatização. Isto poderá levar a um crescimento anual de 3%, e a termos uma melhor imagem externa”, argumenta Abijaodi.

No encontro, a presidente da Câmara de Comércio Exterior da FIESC, Maria Teresa Bustamante, e o vice-presidente regional no Vale do Itapocu, Célio Bayer, reforçaram o compromisso da entidade com a internacionalização da indústria catarinense. Conforme Maria Teresa, trata-se de um dos eixos da atual gestão e conta com a atuação direta do presidente Mario Cezar de Aguiar com o objetivo de ampliar a presença de Santa Catarina no mercado global. Presidente da Câmara Setorial da FIESC para as micro e pequenas indústrias, Célio Bayer também entende que o acordo pode favorecer a uma maior participação de segmentos produtivos que ainda não participam ativamente do mercado internacional, seja nas pautas de importação ou de exportação.

O que representa o acordo

. O Mercosul representa 75% do PIB (Produto Interno Bruto) da América do Sul e um mercado de consumo estimado em mais de 260 milhões de pessoas

. A comunidade europeia representa a maior economia do mundo, com mais de 500 milhões de habitantes, responde por um PIB de 20 trilhões, por 32% das importações do planeta, por 33% das exportações e por 21% dos investimentos globais

 

>> Confira a íntegra da palestra >> https://youtu.be/d6jJ3idGZqA



Confira as

Últimas notícias

Viver Jaraguá quer mostrar oportunidades ao desenvolvimento do turismo regional

Além de mostrar projetos para estimular o setor, evento apresentará linhas de crédito voltadas ao turismo

Economia reage, mas qualificação de mão de obra ainda é desafio

Reaquecimento da economia no pós-pandemia vai exigir mais atenção com a qualificação profissional, avaliam entidades

Núcleo das Cervejarias comemora desempenho de marcas de Jaraguá em evento mundial

Líder do Núcleo das Cervejarias destaca importância da premiação como reconhecimento da qualidade do que é feito na cidade

Transformações globais em pauta na ExpoGestão 2021

Associados da ACIJS têm acesso a um dos principais eventos corporativos do Brasil, de 19 a 21 de outubro

ACIJS se reúne com Badesc por mais acessibilidade a linhas de crédito

Presidente Luis Leigue enfatizou importância de maior facilidade no acesso de micro e pequenos negócios a linhas de crédito

NOTA DE PESAR - Renato Eugênio Trapp

Entidade manifesta pesar da classe empresarial

ACIJS reverencia 60 anos da WEG

Presidente Luis Leigue destacou importância do legado deixado por Werner Voigt, Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus

Evento online quer potencializar recursos de incentivos fiscais a projetos sociais em Santa Catarina

Objetivo do evento é disseminar importância de destinação de recursos com base em leis de incentivo a projetos que beneficiem as comunidades

Samae apresenta Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos à ACIJS

Entidade apoiará encaminhamento de formulário a empresas associadas, com o objetivo de definir gerenciamento de resíduos

Viver Jaraguá reúne especialistas para debate sobre potenciais turísticos

Iniciativa busca dar mais visibilidade ao turismo regional e fomentar o desenvolvimento econômico

You must login to view your message.
Redefinir senha Cadastrar