Notícias 23 ago, 19

A consolidação do acordo entre países do Mercosul e da União Europeia pode trazer dividendos positivos para o Brasil, mas […]

Acordo Mercosul e União Europeia fará economia crescer, mas há desafios a serem vencidos, afirmam especialistas

A consolidação do acordo entre países do Mercosul e da União Europeia pode trazer dividendos positivos para o Brasil, mas este objetivo será mais fácil de ser alcançado se as indústrias se adequarem para enfrentar a concorrência imposta pelo livre comércio e o País acelere em reformas estruturais.

Um quadro das oportunidades e de desafios que o acordo pode oferecer ao Brasil foi apresentado a empresários de Jaraguá do Sul e região durante encontro promovido pela ACIJS e FIESC nesta quinta-feira (22).

O assunto foi abordado por Carlos Eduardo Abijaodi, diretor de desenvolvimento industrial, e Fabrízio Sardelli Panzini, gerente de negociações internacionais da CNI – Confederação Nacional da Indústria. Os dois especialistas ressaltaram que o acordo traz aspectos vantajosos para uma retomada do crescimento econômico no Brasil, mas também impõe necessidades de cumprimento a uma agenda que estimule a competitividade da indústria, seja pelo equilíbrio fiscal, menor burocracia e mais atenção à infraestrutura e logística.

 

“É o maior acordo comercial da história do Brasil, com a eliminação de barreiras e a possibilidade de entrada de recursos que poderão trazer um novo ciclo econômico. Mas o sucesso vai depender de como estivermos preparados para esta relação com outros países”, avalia Fabrízio.

Conforme Carlos Abijaodi, a CNI mantém uma agenda de acompanhamento e de discussão com o governo visando apresentar sugestões e de orientação às empresas. “O trabalho de mobilização é importante e as associações empresariais, sindicatos e entidades representativas devem acompanhar as movimentações do acordo”, assinala.

O presidente da ACIJS, Anselmo Luiz Jorge Ramos, concorda que o tema deve mercer acompanhamento permanente do setor produtivo. “É um acordo que oferece o desafio da indústria nacional se reinventar, de termos um novo momento de oportunidades e ao mesmo tempo ameaças que precisam ser enfrentadas”, observou.

Embora ressaltem que a definição do acordo é uma estratégia que vem sendo discutida há muitos anos e se trata de uma decisão da cúpula do Mercosul, reações externas ampliam as dificuldades de um entendimento na rapidez desejável. Reflexos da disputa entre Estados Unidos e China, questões diplomáticas e divergências ideológicas entre governos, ou debates sobre o meio ambiente, na avaliação dos dois especialistas trazem influência para que o acordo seja definido em sua totalidade, mas não impedem entendimentos pontuais entre os países.

Para eles, quanto mais rapidamente o Brasil avançar em reformas como a tributária e a fiscal, a exemplo do encaminhamento com a reforma previdenciária, maior será o nível de confiança da comunidade internacional. “O mercado precisa de tranquilidade, a economia reage de acordo com os posicionamentos do governo, com mais infraestrutura e logística, educação profissional e regras mais claras que traga a confiança de quem investe, são decisões que podem levar o país a ser mais competitivo, uma balança comercial favorável e com uma agenda que estimule as concessões e privatização. Isto poderá levar a um crescimento anual de 3%, e a termos uma melhor imagem externa”, argumenta Abijaodi.

No encontro, a presidente da Câmara de Comércio Exterior da FIESC, Maria Teresa Bustamante, e o vice-presidente regional no Vale do Itapocu, Célio Bayer, reforçaram o compromisso da entidade com a internacionalização da indústria catarinense. Conforme Maria Teresa, trata-se de um dos eixos da atual gestão e conta com a atuação direta do presidente Mario Cezar de Aguiar com o objetivo de ampliar a presença de Santa Catarina no mercado global. Presidente da Câmara Setorial da FIESC para as micro e pequenas indústrias, Célio Bayer também entende que o acordo pode favorecer a uma maior participação de segmentos produtivos que ainda não participam ativamente do mercado internacional, seja nas pautas de importação ou de exportação.

O que representa o acordo

. O Mercosul representa 75% do PIB (Produto Interno Bruto) da América do Sul e um mercado de consumo estimado em mais de 260 milhões de pessoas

. A comunidade europeia representa a maior economia do mundo, com mais de 500 milhões de habitantes, responde por um PIB de 20 trilhões, por 32% das importações do planeta, por 33% das exportações e por 21% dos investimentos globais

 

>> Confira a íntegra da palestra >> https://youtu.be/d6jJ3idGZqA



Confira as

Últimas notícias

Nota de pesar - Yara Fischer Springmann

A ACIJS, representada por sua Diretoria. Conselho Superior e Empresas Associadas, expressa o sentimento de pesar da classe empresarial de Jaraguá do Sul diante do

Ação Social do Núcleo de Voluntariado leva alegria a crianças no Natal

Iniciativa beneficiou crianças assistidas pelo programa Novos Caminhos e também menores da comunidade haitiana do Bairro Vieiras

NOTA OFICIAL – A favor da moralidade, contra o aumento de gastos públicos

Entidade se alinha a manifestações de setores representativos do meio empresarial e da sociedade civil diante de medidas que comprometem a gestão de recursos públicos

ACIJS vê legitimidade em manifestações por mais recursos a rodovias

Entidades representativas do setor produtivo têm atuado no sentido de assegurar continuidade de obras de infraestrutura

NOTA OFICIAL - Fundo Eleitoral 2022

Com a decisão de senadores e deputados federais, Fundo Eleitoral pode utilizar até R$ 5,7 bilhões de recursos públicos, em 2022

Jaraguá do Sul é a primeira cidade de SC a integrar rede nacional de 5G

Projeto vai permitir a aplicação de tecnologia inédita, com a instalação de redes de 5G por meio da integração de antenas às luminárias inteligentes

“Desafio é recuperar posição de destaque de Jaraguá na economia do estado”, diz prefeito Antídio, na ACIJS

Encontro Empresarial marcou encerramento da agenda de plenárias da entidade em 2021

ACIJS inicia campanha de incentivo à segunda dose de vacina contra a Covid-19

Ação busca envolver a comunidade no esforço para que o ciclo de imunização contra a Covid-19 seja completo

Alta de juros era aguardada, mas decisão pode afetar recuperação econômica, avaliam entidades

Sétimo aumento seguido dos juros pode inibir capacidade de reação de empresas no pós-pandemia, temem especialistas

Câmara Federal aprova projeto que municipaliza regras de proteção de rios em áreas urbanas

Projeto de Lei que regulamenta ocupação de áreas próximas a rios nos municípios agora aguarda sanção presidencial

You must login to view your message.
Redefinir senha Cadastrar