Mudança de carreira: é a melhor opção?

20178074_ml-e1423739122500

Como ocorre o processo de mudança de carreira? De repente, você percebe que começou a perder o interesse. Talvez, apenas encontrou algo que parece mais interessante. Ou, ainda, a empresa em que atua encontra-se em um momento difícil, com uma onda de demissões que te deixa inseguro. Não são poucas as razões que podem ser citadas quando a profissão já não parece se enquadrar. E se pudesse trocar, com a garantia de que seria extremamente bem sucedido, o que você faria?

“Todos os dias, recebo pessoas que estão cheias de dúvidas sobre qual caminho seguir na vida profissional. Algumas querem largar tudo, outras pretendem começar um negócio próprio, há quem aspire uma promoção, enquanto outros planejam mudar de país”, relata o terapeuta e coach comportamental Ghoeber Morales.

Segundo o especialista, optar por uma “profissão para a vida toda” é, certamente, uma das escolhas mais complicadas a serem feitas na vida. Então, diante desse dilema, em primeiro lugar, a dica é respirar e fazer uma análise, a fim de se certificar se o melhor é mesmo mudar a área de atuação. “Identificar as sensações que inundam seu corpo pode funcionar como excelente pista a respeito do seu nível de satisfação atual com sua escolha profissional”, recomenda Morales.

Além disso, ele lembra que, para muitas pessoas, o trabalho tem papel de destaque, visto que ocupa grande parte do dia de um indivíduo e muitos outros acontecimentos importantes ocorrem a partir dele. “Portanto, fazer aquilo se ama tem um peso importante quando avaliamos quão felizes nos sentimos.”

Como agir

“A água entorna e o desejo de fazer algo novo e diferente emerge com força máxima. Uma sensação de tempo perdido toma conta, impulsionando o indivíduo para novas ações. E é importante lembrar que o conhecimento adquirido em experiências anteriores não precisa ser descartado e pode ser bastante útil no futuro”, pontua o terapeuta. Constatado, então, que já não dá mais para se manter naquela carreira, é preciso traçar uma rota a ser seguida, de forma cautelosa.

Nesse sentido, alguns passos ajudam a evitar novas frustrações. “Definir aspectos positivos e negativos da profissão anterior; pesquisar novos campos; perceber suas próprias características e ganhar experiência na área de atuação escolhida são ações indispensáveis”. Fazer networking e encontrar um mentor também podem auxiliar na hora de recomeçar.

Além disso, segundo Morales, para ser mais efetivo em um novo empreendimento, o melhor caminho é investir em si mesmo. “Nesses casos, o marketing pessoal é uma boa para se mostrar ao mercado, seja com publicação de artigos ou construção de networking. Cursos de especialização também devem ser buscados para ampliar as chances de prosperar”.

Tarde demais?

O canal VAGAS.com realizou uma pesquisa sobre o mercado de trabalho para profissionais com mais de 40 anos, para retratar a empregabilidade desse nicho no atual cenário. O estudo apontou que, para 26,3%, trocar de área seria uma opção. 14,1% entrevistados revelam que pretendem abrir um negócio, mas quase metade (46,2%) não pretende arriscar-se, trocando de carreira.

“Especialmente quando já existe algo construído, é comum que o indivíduo pense que não dá mais tempo e prefira o certo ao duvidoso. Essa atitude pode gerar insatisfação e estagnação”, comenta Morales. Ele destaca, ainda, que a mudança deve partir do indivíduo e ser feita de forma gradual. “Ninguém está exigindo que você faça nada de forma abrupta. Se você sente que algo não está se encaixando, não ignore o que se passa dentro de você; não ignore o que, em seu íntimo, você até já sabe, mas morre de medo de deixar escapar”, aconselha.

Ghoeber Morales é psicólogo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre em Análise do Comportamento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e membro do Institute of Coaching (filiado à Harvard Medical School).

Via: Administradores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *