Cinco dicas para considerar na hora de seguir conselhos

A melhor maneira de identificar um conselho é descobrir qual é a experiência do conselheiro! Imagem: Shutterstock

A melhor maneira de identificar um conselho é descobrir qual é a experiência do conselheiro!
Imagem: Shutterstock

Feedback e conselhos podem ajudar o empreendedor no começo de um negócio, mas nem toda opinião é útil. Esta é a opinião do famoso empreendedor americano Kevin Daum, que escreve para o site Inc..

Daum recebe no dia a dia muitas recomendações. Elas chegam de profissionais experientes, algumas de amigos interessados e outras de ouvintes de um programa de rádio que apresenta. Para diferenciar o “joio do trigo”, ele questiona cada proposta. Que tipo de experiência tem o conselheiro? Ele realmente compreende os objetivos e o contexto de seu projeto?

Para ajudar os jovens empreendedores, Daum fez uma lista de como filtrar opiniões. E pediu a ajuda de cinco colegas – todos especializados em startups.

1. Procure diferentes pontos de vista (Eric Holtzclaw – Lean Forward)
“Não confunda opinião com fato. Opinião é baseada na perspectiva de uma única pessoa e, muitas vezes, antecede qualquer tipo de experiência concreta. Ao buscar conselhos, tente conversar com várias pessoas. Lembre-se de incluir na sua lista quem tiver ideias opostas às suas. No geral, os conselhos que você recebe são baseados em experiências próprias e válidas, ou são palpites que podem beneficiar a pessoa que os sugeriu? Também não se esqueça de que somente você poderá saber o que deve ser feito em seguida, e terá de enfrentar as consequências das decisões tomadas.”

2. Busque perspectivas opostas (Minda Zetlin – Start Me Up)
“Quando me tornei presidente de uma empresa, mandei e-mail para dois diretores, encorajando-os a compartilharem suas opiniões. Por que? Mesmo respeitando-os, eles eram as duas pessoas das quais eu mais discordava. Meses depois, eu descobri que o vice-presidente estava armando um complô contra mim. Uma daquelas pessoas que eu havia consultado anteriormente me recomendou revelar o conflito que estava acontecendo. Então segui seu conselho, mesmo sendo contra a forma com a qual eu lido com situações do tipo. No fim, foi a melhor atitude que eu poderia ter tomado para que tudo voltasse ao normal. Moral da história: valorize as pessoas mesmo se elas tiverem ideias diferentes, eles podem ser os melhores conselheiros.”

3. Utilize algumas regras básicas (Lee Colan – Leadership Matters)
“Considere a fonte dos conselhos. A pessoa que lhe sugeriu algo tem experiências relevantes que fazem dela alguém confiável?
Teste o mesmo conselho contra a sua situação. Como ele funcionaria nesse caso, em particular?
Compare a informação com a de outras fontes. A ideia apoia ou refuta a opinião de outras pessoas?
Lembre-se da sua integridade. É possível aplicar o conselho com autenticidade e integridade?”

4. Siga seus instintos (Marla Tabaka – The Successful Soloist)
“Emoções extremas como excitação e medo contribuem para más escolhas. Subconscientemente, é possível saber o que é melhor para o negócio e para si mesmo, mas o acesso a essa informação nem sempre é fácil. Não aceite de cara os conselhos que receber, mas os avalie utilizando a lógica e, acima de tudo, a intuição. Sintonize-se com si mesmo.”

5.  Pergunte apenas quando for necessário (Peter Economy – The Management Guy)
“Todos querem dar seus palpites em como comandar um negócio, desde funcionários até clientes, amigos e parentes. Enquanto todos esses conselhos podem ser bem intencionados – alguns até muito bons – a maioria são opiniões alheias que podem ajudar pouco, ou nada. A chave para conseguir as melhores orientações é pedir somente quando for preciso. Pergunte a um expert no assunto, ou a alguém que passou pelos mesmos problemas que você e sua empresa estão passando.”

Fonte: PEGN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *