Associações Empresariais retomam esforço regional pela duplicação de trecho urbano da BR-280

Lideranças regionais não descartam propor ao Governo do Estado formação de um fundo com recursos oriundos de impostos e de fazerem a gestão dos investimentos na duplicação do trecho urbano da rodovia

A duplicação do trecho urbano da BR-280 e a execução de viadutos, travessias e outras obras complementares no trecho de 8,5 quilômetros entre Guaramirim e Jaraguá do Sul, voltou a ser pauta de encontro de lideranças empresariais e políticas da região nesta segunda-feira (11).

Durante a reunião com representantes das associações empresariais, das prefeituras, vereadores, com a participação do deputado estadual Vicente Caropreso, entre outras lideranças comunitárias, fiou acertado que um grupo de trabalho será formado para buscar junto ao Governo do Estado a retomada dos serviços no trecho estadualizado, iniciados pela empresa vencedora da licitação no final de 2017, e também a aceleração da obra no trecho federal.

Deputado estadual Vicente Caropreso destaca que atual equipe do Governo do Estado não previu recursos para obra no trecho urbano da BR-280

Para o presidente da ACIJS, Anselmo Luiz Jorge Ramos, a situação é cada vez mais preocupante. A obra é considerada vital para o desenvolvimento da microrregião e foi prometida e anunciada ainda no primeiro mandato do governo de Raimundo Colombo. “Lamentavelmente, o atual governo não tem esta obra em seu radar de prioridades, o que nos preocupa porque ela já foi iniciada e acabou sendo interrompida no final da administração anterior, porém com pagamentos efetuados que geram um custo na medida em que isto pode ser totalmente perdido se os trabalhos não forem retomados”, assinala Anselmo Ramos.

O empresário lembra que a região vem perdendo investimentos, seja de empreendimentos novos que optam por se instalarem em outros municípios até mesmo fora de Santa Catarina, ou porque empresas locais suspendem projetos de ampliação de suas plantas. “Sem estas obras, a região não terá condições de se desenvolver. Isto se agrava porque não temos outras condições de circulação da matéria prima ou de escoamento da produção, já que esta é a principal ligação com outros centros e, com os gargalos de infraestrutura, a região poderá ficar com sua economia estagnada”, explica Ramos. O prefeito de Jaraguá, Antídio Lunelli, disse que o município já tem perdas de R$ 100 milhões por ano no seu orçamento por queda de receitas.

Grupo de trabalho será formado por representantes da classe empresarial, do poder público e de outros segmentos organizados da comunidade da micrrorregião

Conforme o deputado estadual Vicente Caropreso, o impasse precisa ser resolvido. O parlamentar lembra que logo após o início dos trabalhos de terraplanagem para a implantação do viaduto no trevo de Guaramirim em direção a Massaranduba – com data de entrega para junho de 2018 – o projeto foi paralisado por suspeitas de irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado – TCE. Posteriormente, a obra foi liberada, mas já não havia recursos disponíveis e o novo governo não relacionou a obra no rol de projetos com investimentos do BNDES ou outras fontes, o que segundo ele vai exigir pressão da comunidade para que o atual governo coloque a obra como prioridade.

Como resultado da reunião, um grupo de trabalho formado por representantes das Associações Empresariais, Prefeituras, Câmara de Vereadores, Ordem dos Advogados do Brasil e outros setores organizados, atuará no sentido de buscar o compromisso da administração estadual e na formulação de propostas que possam viabilizar a obra. Uma das possibilidades é de que parte dos recursos oriundos da arrecadação de ICMS dos municípios seja direcionada para a retomada da implantação do viaduto e também para as obras complementares no trecho que foi estadualizado e passa pela área urbana entre Guaramirim e Jaraguá.

Levantamento junto à Secretaria de Estado da Fazenda mostra que em 2018 a microrregião do Vale do Itapocu gerou mais de R$ 9,1 bilhões em valor adicionado do ICMS, o que na opinião da classe empresarial poderia viabilizar integralmente a obra. “Uma parte dos recursos certamente seria suficiente para que tenhamos esta demanda atendida, considerando que se trata apenas de uma das fontes de arrecadação”, reitera Anselmo Ramos.

O empresário entende que há iniciativas semelhantes em municípios como Brusque, onde recursos do ICMS foram destinados a obras de infraestrutura, destacando que o grupo de trabalho atuará no sentido de equacionar questões legais e na sensibilização do Governo do Estado. Em outra frente, junto à bancada parlamentar de Santa Catarina se buscará a garantia de recursos para que as obras de duplicação no trecho federal sejam aceleradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *